fbpx

GestorIdeal

Como formar o meu preço de venda para não ter prejuízo?

Se você apenas compra do seu fornecedor e coloca à venda com um valor que acredita ter lucro, está fadado ao prejuízo. Saiba como compor seu preço de maneira correta, que garantirá lucro e um preço competitivo!

A formação de preço feita corretamente, possibilita ganhar de seus concorrentes e, também, ter um retorno realmente lucrativo. Definir um preço com composição correta, afeta diretamente no seu planejamento, como vimos no post 5 passos para ter um planejamento perfeito. Para conseguirmos compor os preços dos nosso produtos/serviços, temos que conhecer e seguir alguns passos, que são totalmente facilitados se você tiver um Fluxo de Caixa bem organizado, onde já tenha projetado todos os seus gastos.

Gastos

Os gastos são recursos consumidos em um empreendimento, eles abrangem os CUSTOS e as DESPESAS da empresa. Para mantermos a saúde da empresa, o conhecimento detalhado de cada gasto é essencial e devemos pensar sobre como eles são feitos. Perguntas como, “eu conheço todos os meus gastos?”, “como está a separação dos meus gastos pessoais e do meu negócio?” e “eu trato meu dinheiro utilizando da sorte?”, devem ser pensadas e analisadas para o bem financeiro do empreendedor e da empresa.

Os gastos são divididos em dois, os fixos e os variáveis:

Gastos fixos: São os gastos que existem mesmo que não seja comercializado nenhuma unidade de produto ou serviço no período. Ex.: conta de água, luz, aluguel, software e etc.

Gastos variáveis: São os gastos que só existem se houver a produção e/ou comercialização de algum produto ou serviço. Ex.: matéria-prima, embalagens e etc.

Se seu fluxo de caixa está desorganizado, se não há um controle dos seus fornecedores, de caixa, pare tudo agora e analise toda a sua empresa, pois para ter um preço que lhe trará lucro, é necessário conhecer quanto e com que são seus gastos. A maneira mais fácil de gerenciar e se organizar, é utilizando um Sistema de Gestão como o GestorIdeal, onde é feito o controle financeiro, de estoque, previsão de caixa e tudo mais que você precisa para fazer o seu negócio voar! Caso persista alguma dúvida sobre custos e despesas, recomendamos a leitura do artigo Entenda a diferença entre custo e despesa, onde encontrará maiores informações sobre este assunto.

Margem

Imagine se, a cada venda efetuada, você soubesse antes o quanto sobrará para poder pagar os gastos fixos e obter um lucro para você. A margem vem para atuar nisso, ela é o percentual do preço de venda que você vai tirar para pagar os gastos fixos (incluindo o seu pró-labore¹).

Entre outras palavras, podemos resumir em uma simples conta:

Venda Unitária – Gastos Fixos = Margem Unitária

para um produto e de maneira unitária, ou

Margem de Contribuição = Valor das Vendas – (Custos Variáveis + Despesas Variáveis)

para todas as vendas.

Quando entendemos que cada venda deve sobrar algum valor para que possa ajudar a cobrir os gastos fixos, estamos nos referindo ao conceito de Margem de Contribuição.

Além da margem de contribuição, nós temos a Margem de Lucro, que é o percentual que ficará para você.

Formação de Preço de Venda

*A margem desejada deve ser a soma da Margem de Contribuição com a Margem de Lucro.

Vamos seguir os passos para realizar esse cálculo:

  1. Somaremos todos os Gastos variáveis UNITÁRIOS expressos por reais;
  2. Somaremos a margem desejada com os gastos variáveis UNITÁRIOS expressos em porcentagem (%);
  3. Subtrairemos de 100% o valor encontrado no passo 2;
  4. Dividiremos o valor encontrado no passo 1 e o valor encontrado no passo 3;
  5. Multiplicaremos o resultado do passo 4 por 100.

Agora que aprendemos a calcular o preço de venda do nosso produto, poderemos refletir se o valor está adequado ou não à nossa realidade de mercado. Saber se o preço está acima, igual ou abaixo dos seus concorrentes, pode te ajudar a estudar um plano de vendas e também, caso esteja acima, analisar os possíveis motivos:

  1. Valores pagos aos fornecedores;
  2. A Margem de lucro desejada;
  3. A quantidade de produto em estoque, que pode justificar uma margem menor;
  4. A quantidade de vendas (famoso “ganhar na venda”);
  5. Valores das embalagens usadas;
  6. A percepção que o cliente tem de nosso produtos/serviços.

O Conceito Markup

Vimos que a formação de preço é algo simples de se fazer, agora entenderemos uma ferramenta simples que é utilizada à partir da nossa formação de preço: o conceito Markup.

O Markup, nada mais é, que um fator de multiplicação que é utilizado para que padronizem os preços de venda, algo que pode ser bom no caso de preços sempre uniformes, mas pode trazer problemas quando temos que negociar descontos com os nossos clientes.

Preço de Markup: taxa calculada sob o custo do produto.

Calculado o Markup, agora é só multiplicar o valor encontrado, pelo custo do produto, chegando a um preço final de venda.

A próxima etapa, é calcular o ponto de equilíbrio da empresa, que é explicado em outra postagem, onde verificamos quanto é necessário vender para se obter lucro, pois como vimos acima, a margem de contribuição é uma pequena parcela de um todo suficiente para pagar as contas. O saber o ponto de equilíbrio é essencial para o planejamento da empresa e para a definição de meta de venda.

Para saber mais, clique aqui!

¹ pró-labore substantivo masculino
1. conta de despesa em que se registram os valores retirados pelos sócios de uma empresa em pagamento de serviços, eventuais ou extraordinários, por eles prestados à firma.
2. pagamento por serviço prestado por estranhos, a uma firma, instituição ou empresa. “recebeu um p. para participar de uma banca de concurso”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Top