fbpx

GestorIdeal

Ponto de Equilíbrio, sua empresa esta dando lucro?

Você sabe qual é o valor mínimo que sua empresa tem que alcançar para deixar de ter prejuízo e começar a ter lucros? Esse valor mínimo é o chamado Ponto de Equilíbrio da empresa.

Quando estamos tocando nosso negócio, podemos achar que ao final do mês, após pagar todas as contas do mês e acertar os funcionários, podemos pegar o valor que quisermos para retirada do caixa, mas não funciona dessa forma.

Toda empresa para ter uma vida longa e próspera, precisa de um bom planejamento e um ótimo acompanhamento do que foi projetado , para que isso possa ser feito, precisamos de índices que nos apontem se estamos no caminho certo.

Conhecido também por sua sigla em inglês Break Even Point (BEP), o ponto de equilíbrio é um índice que marca o ponto em que as vendas criaram receita suficiente para estarem em equidade com os custos e despesas da empresa , assim, quando passado esse índice, a empresa passa a ter lucro, caso contrário é identificado o prejuízo.

Por isso, é comum presenciar donos de empresas recém criadas dizendo “estamos chegando ao nosso ponto de equilíbrio, logo iremos começar a ter lucro”. Isso significa que a empresa dele estava tendo prejuízo e precisando de aporte para sobreviver, mas que agora está “empatando as contas” e logo começará a dar lucro.

Tipos de Pontos de Equilíbrios

O Ponto de Equilíbrio é dividido em 3 segmentos. Da mesma forma que temos a divisão na gestão financeira do nosso negócio com o regime de competência e com o regime de caixa (Para saber mais, clique aqui) , no ponto de equilíbrio nós temos o contábil, financeiro e econômico.

Para calcularmos os pontos de equilíbrio, precisamos saber a nossa margem de contribuição (citada no texto Como formar o meu preço de venda de uma maneira que não tenha prejuízo? ), desta forma:

Margem de Contribuição = Valor das Vendas – (Custos Variáveis + Despesas Variáveis)

Além da margem de contribuição, você também deverá ter em mãos:

Ponto de equilíbrio contábil – PEC

O PEC é a forma mais simples de se chegar a este valor e também é a forma mais utilizada. Nessa modalidade, o valor dos custos e das despesas fixas é dividido pela margem de contribuição, resultando assim, na receita necessária para igualar os gastos.

Ponto de Equilíbrio = Gastos Fixos / % Margem de Contribuição

Ponto de equilíbrio Financeiro – PEF

O PEF é muito parecido com o PEC, porém exclui-se dos custos fixos a depreciação dos ativos e outras despesas não desembolsáveis, ou seja, você não contabiliza o que não sai realmente em forma de dinheiro da sua empresa. Dessa forma, o PEF passa a ser mais compatível com o caixa da empresa.

O PEF por não considerar os gastos que não sairão do caixa, traz uma abordagem de curto prazo, ele não prepara a empresa para futuras situações.

A formula para o PEF é a seguinte:

PEF é igual ao custo operacional fixo menos a depreciação mais amortização dividido pelo preço por unidade vendida menos custo variavel unitário
  • PV = Preço por unidade vendida
  • CF = Custo operacional fixo;
  • DP = Depreciações;
  • A = Amortizações;
  • CV = Custo variável unitário

PEF = (Gastos Fixos – Gastos não Desembolsáveis) / Margem de Contribuição

Ponto de Equilíbrio Econômico – PEE

Agora neste indicador nós iremos acrescentar o custo de oportunidade, que significa uma comparação, caso você tivesse colocado o valor investido em um negócio, tirado e colocado em outro ou em uma aplicação financeira.

Neste indicador verificaremos se o seu negócio esta sendo vantajoso igual a um outro investimento e se esta alcançando o objetivo definido pelo empresário.

Para encontrar o PEE deve-se desconsiderar a soma dos gastos que não representam desembolsos financeiros, assim como no PEF.

A fórmula do PEE é assim:

Calculo de ponto de equilíbrio contábil.
  • PV = Preço por unidade vendida;
  • CV = Custo variável unitário;
  • COp = Custo de Oportunidade;
  • CF = Custo operacional fixo.

Em outras palavras e de um modo mais fácil de entender, o cálculo se da assim:

Ponto de equilíbrio econômico = custos e despesas fixas + custo de oportunidade/margem de contribuição

Os cálculos citados acima, os termos, registros e outras burocracias, devem ser feitas pelo empresário para que sua empresa cresça. Para evitar perda de informações, de tempo e de paciência, é recomendado a utilização de um Sistema de Gestão, que fará todos os cálculos por você, economizando tempo e mantendo seus dados seguros e confiáveis.

O GestorIdeal é uma ferramenta de gestão empresarial, completa e de simples manuseio, contendo emissão de boletos e notas fiscais no plano master. Entre em contato conosco e tire suas dúvidas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Top