fbpx

GestorIdeal

Vendas por cartão e como elas melhoram seu negócio

gestorideal - Vendas no cartao

Sempre buscamos formas de agradar nossos clientes, seja com desconto ou facilitando a forma de pagamento. Nenhuma alternativa deve ser deixada de lado, mas lembre-se de estimar os riscos. O cartão é uma das formas de pagamento que é mais utilizada hoje, seja no débito ou crédito. Nesse artigo, abordaremos as vantagens de adotar essa forma de pagamento.

Há algum tempo dinheiro já não é a primeira opção para se comprar ou pagar algo, isso ocorre por dois fatores:

1º hoje em dia se tornou muito inseguro andar com dinheiro vivo;
2º é muito mais vantajoso tanto para o cliente quanto para o empresário.

As vantagens já podem ser sentidas pelos Microempreendedores, desde àqueles que têm uma vendinha no bairro, até o fornecedor. Em uma pesquisa divulgada pelo SEBRAE, apontou que 39% dos micro e pequenos empresários aceitam os cartões de crédito e débito em suas vendas. Será que essa é uma boa coisa para você? Para chegar a uma resposta, você precisa conhecer seus consumidores, eles normalmente perguntam se você aceita cartão? Se resposta é sim, você deveria realmente pensar sobre isso. Outro fator importante que você precisa avaliar, é o seu modelo de negócio, pois nem tudo que funciona em uma empresa pode funcionar para outra.

Os Prós

Se um cliente pede para você parcelar uma compra, sua empresa acreditando que esse consumidor honrará essas parcelas, aceita fazer um parcelamento, no entanto, na segunda parcela ele some e deixa de pagar. O que você faz em uma situação como essa? Com o uso de um cartão, você fica mais assegurado, pois quem assume a responsabilidade da dívida é a empresa do cartão.

Outro benefício que passa batido é do crescimento nas vendas, atualmente os clientes, em sua grande maioria, carregam consigo somente o cartão. Portanto, essas pessoas têm apenas débito e/ou crédito como opção de pagamento, se elas passarem por seu estabelecimento e não tiver a opção de pagar utilizando o cartão, você perderá a venda. Aceitar o cartão como forma de pagamento, é uma maneira de aproveitar todas as oportunidades que aparecem e isso reflete no seu volume de vendas.

  • Pagamento em qualquer lugar
    Com a popularização das máquinas sem fio, você pode realizar uma venda em qualquer lugar, na rua, na casa do cliente ou em sua empresa. Se você utiliza um serviço de entregas para seus produtos, a máquina pode ficar com o entregador e acelerar ainda mais suas vendas.
  • Maior facilidade no controle de vendas
    Você sabe quanto vendeu no mês passado? É importante ter essa informação atualizada para conhecer o fluxo de caixa da empresa. Se você anota tudo sozinho, com certeza vai se perder em algum momento. Quando é realizada uma venda por cartão, você sabe exatamente de onde vem esse dinheiro. Para um controle mais preciso e seguro, contrate um ERP, como o GestorIdeal.
  • Tenha essa opção à seu favor
    Manter clientes é uma tarefa difícil para quem tem um pequeno negócio. Mas, quanto maior for seu leque de opções, mais clientes você poderá atender. É por isso que compras com crédito ou débito devem ser levadas em consideração, se você não fizer, seu concorrente fará e você terá cada vez menos clientes, correndo o risco de seu negócio fechar.
Os Contras

Como sabemos, nada é perfeito, por isso também é necessário analisar os pontos negativos de seu uso. Uma questão muito importante é a manutenção da máquina, depois de pagar pelo aparelho existe a taxa de manutenção para deixá-la funcionando em dia.

Veja algumas desvantagens do cartão:

    • Aumentar seu capital de giro
      Para que o uso da máquina gere lucro, é imprescindível que você mantenha seu capital de giro. Tenha em mente que cada bandeira de cartão tem um prazo de pagamento, por isso planeje-se. Compras feitas no débito, por exemplo, caem no dia útil seguinte. Já as feitas em crédito, podem levar mais de 30 dias para converter em dinheiro.
    • Antecipar o pagamento gera uma renda menor
      Adiantar a parcela é uma possibilidade caso você esteja tendo um giro baixo. Mas, lembre-se, isso terá um custo caso você opte por essa opção, saiba que seu rendimento será menor por causa da taxa de adiantamento.
    • Não repasse os juros para o consumidor
      Essa é uma tática válida somente quando você repassa os valores de custo de matéria-prima ou operacional. Agora no caso das tarifas, quem paga é o empresário. Essa é mais uma razão para analisar a sua situação financeira antes de implementar vendas por cartão em sua empresa. Confira mais sobre no texto O Fluxo de Caixa e Sua Importância para Micro e Pequeno Empresário.
    • Fraude pode acontecer
      Se realizarem uma compra com cartão clonado e esse valor for estornado, quem paga essa dívida é você. Para evitar esse problema, peça documento para identificação.
Conheça as taxas do débito e do crédito ​

Existem 3 tipos de máquinas: as que aceitam somente débito, somente crédito e outra que aceita ambos.

Como dito anteriormente, conheça seus clientes para poder decidir qual máquina é a ideal para você.

Venda no cartão de débito

Dependendo do modelo da máquina, a taxa para o empresário poderá ir dos 2% para 3%. Ou seja: quando você passar uma venda de R$300,00 no débito, pagará a quantia de R$ 6,00 de taxa para as máquinas que cobram 2% e de R$ 9,00 para as que cobram 3%.

Venda no cartão de crédito

Você terá 2 tipos de taxas nessa modalidade. Para as vendas realizadas no crédito à vista, a porcentagem paga varia entre 2,5% e 4%. Isso quer dizer que, quando você passar uma venda de R$500,00 no crédito à vista, poderá pagar de R$12,50 a R$20,00 apenas de taxa de transação. Entretanto, quando a compra é parcelada em 2 vezes ou mais vezes, o empresário paga uma taxa pela transação e outra por cada mensalidade. Tendo em mente as diferenças entre as operadoras, o valor pode ficar na faixa dos 3% e 12%.

A importância de aderir ao cartão como pagamento

Vamos imaginar que você está conversando com um cliente em potencial sobre os benefícios que seu produto/serviço proporciona, o consumidor fica animado e decide comprar, porém, só pode pagar no cartão e você não tem uma máquina. Será que essa pessoa vai ao banco sacar o valor só para não perder a oportunidade? O mais provável é que ela agradeça pela oferta e vá embora. Você perde uma chance de ouro. Por esse motivo, aceitar o pagamento em cartão garantirá mais vendas para o seu negócio. Você pode pensar: Ok! Mas isso não vai acontecer agora! Afinal, o país está em crise e ninguém está comprando. É aí que você se engana, de acordo com um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 33% dos consumidores brasileiros fazem compras por impulso. A oportunidade é real. Basta que você esteja preparado para ela.

Você não terá problema com troco

O uso de cartões para transportar dinheiro é uma realidade tão presente que é cada vez mais difícil ter troco. Só que você deve devolver o valor correto para o cliente, independentemente se ele pagar uma compra de R$10,00 com uma nota de R$50,00 ou de R$100,00. Com uma maquininha, você não precisará se preocupar tanto com troco, se você mantiver uma pequena quantidade de moedas e notas de R$5,00 ou de R$2,00, será o suficiente.

Você e seu cliente estarão mais seguros

Além das pessoas estarem mais receosas em andar com dinheiro na rua, o fato de você permitir o pagamento no cartão garantirá segurança para o seu negócio. Quanto mais você realizar transações na maquininha, menos perderá em casos de assalto. Afinal, você terá apenas um valor simbólico para a compra de itens de escritório, de limpeza e para o troco.

É sempre bom ter mais de uma opção

Nenhum cliente gosta de se sentir encurralado ou forçado a fazer algo. Se a sua empresa não aceita o pagamento no cartão, isso poderá ser visto com maus olhos pelos consumidores. Sendo assim, mesmo que seu cliente pague em dinheiro, ele ficará satisfeito em saber que, mesmo quando estiver despreparado, poderá fazer uma compra no cartão. Acredite, a diversificação na forma de pagamento funciona como um impulsionador de vendas.

O parcelamento continua sendo o queridinho dos clientes

A pesquisa do SPC Brasil e do CNDL também destaca a preferência pelo parcelamento: 42% dos consumidores entrevistados disseram que preferem pagar em 2 ou mais vezes do que perder a oportunidade de comprar, sobretudo, quando eles sabem que o valor está mais barato do que o praticado em outros estabelecimentos. Por isso, mesmo que na pesquisa interna os clientes não demonstrem um interesse direto pelo parcelamento, deixar de oferecer essa opção pode te privar de uma venda incrível. Você está disposto a arriscar?

As taxas podem até não pesar muito

Colocando na ponta do lápis, é bem provável que você perceba que as taxas não atrapalham tanto no seu faturamento. Vamos imaginar que você vendeu R$ 10 mil no mês passado, depois de adquirir uma máquina para receber pagamentos no débito, você alcança R$20 mil de faturamento no mesmo período, com um desconto de R$ 600,00 de taxa de transação. Portanto, o seu lucro seria de R$19,4 mil. Você conseguiria um resultado similar aceitando apenas dinheiro?

Redução de erros no controle do caixa

Chega mais um final de expediente e você senta com o operador do caixa para fazer o balanço do dia. Ao somar as notas emitidas e compará-las com o dinheiro em caixa, você percebe que faltam R$200,00 para a conta fechar. Como você vai reaver essa quantia? Quem passou por uma situação como essa sabe que ela pode ser muito prejudicial para o negócio. Não somente pelo valor em si, mas, acima de tudo, pelo relacionamento entre você e seu funcionário, que certamente ficará desestabilizado. Para os que cuidam de tudo sozinho, é fundamental ficar atento à possíveis erros, porque eles podem acontecer e, se isso se confirmar, o prejuízo será certo.

Como escolher a melhor máquina para sua empresa

Existe uma série de máquinas disponíveis no mercado e saber como escolhê-las é essencial para garantir o melhor custo-benefício para o seu negócio. Depois de averiguar o fluxo de vendas da empresa e a preferência dos clientes, é chegada a hora de decidir qual será o parceiro nessa jornada.

Confira abaixo quais aspectos você deve considerar antes de bater o martelo:

• Verifique qual é o modelo ideal

Você encontrará 3 distintos: o convencional, que é ligado às redes telefônica e elétrica;
o sem fio, que se conecta com a rede Wi-Fi; e o leitor de celular, que funciona como um aplicativo por meio de Bluetooth. Para decidir pelo modelo, analise a estrutura da sua empresa. Se você atende apenas em um endereço, pode ser que o convencional seja o mais adequado. Em contrapartida, se você costuma visitar os clientes pessoalmente, pode ser que o sem fio seja a opção mais adequada.

Coloque os benefícios na balança

Cada modelo de máquina tem recursos específicos que valem ou não o seu preço, tudo dependerá do que você precisa. Por exemplo: você decide adquirir a máquina convencional, que usará mais da rede elétrica, mas que, em compensação, aceita um número maior de bandeiras e ainda aceita recargas de celular. Com essa variedade, você neutraliza o valor gasto com a energia e potencializa a margem de lucro. A máquina com leitor de celular não oferece essas vantagens, e você pode perder vendas pelo fato dela abranger menos bandeiras.

Decida entre o aluguel ou a compra do equipamento

Não são todas as máquinas que estão disponíveis para venda. A convencional é a única das 3 que só pode ser alugada. Além disso, elas também exigem um valor de adesão que pode ser um pouco mais salgado do que nas demais. As máquinas com Wi-Fi também não são alugadas, porém, seu valor pode ser um dos mais caros. Se você quiser um equipamento com a possibilidade de envio do comprovante por SMS, por exemplo, poderá desembolsar a quantia de R$800,00.

Pesquise pela operadora com valor mais acessível

As empresas responsáveis pelo oferecimento e pela administração da venda no cartão trabalham com valores bem diferentes. Para citar um exemplo: a Cielo cobra um valor de credenciamento de R$70,00, aproximadamente, e de R$ 140,00 para a mensalidade da máquina fixa. Quanto às taxas de transação, a operadora se baseia no segmento de atividade da empresa para definir um valor. Para os que têm uma padaria, a taxa de vendas a crédito é de 4,2%, sendo que em supermercados e em restaurantes a porcentagem é de 2,9% e 5%, respectivamente. A Bin é outra administradora que faz valores diferenciados dependendo do setor. As padarias pagam uma taxa de 3,2%, os supermercados, de 2,5% e os restaurantes, de 3,5%. A PagSeguro é uma operadora com preços bem competitivos, com margens de débito: 2,39% e crédito: 3,19%, sendo que com menos de R$250, você já tem uma máquina bem funcional.

Por todas essas variantes, e também dos recursos que cada uma oferece, é interessante que você pesquise e negocie com a administradora em questão para que o investimento caiba perfeitamente no seu bolso. Apesar de muitos empresários serem avessos à gastar dinheiro, quando o assunto é o progresso empresarial, uma regra permanece absoluta: é preciso investir hoje, para ganhar mais no futuro. Aliás, essa é uma lei aplicável em todas as esferas da nossa vida. Pense em como você chegou até aqui, você precisou gastar para comprar a casa onde mora, para assistir aos seus jogos preferidos aos fins de semana e para oferecer uma maior qualidade de vida para os seus filhos. Da mesma maneira, a sua empresa precisa de investimento para que ela cresça e conquiste cada vez mais clientes. Se você quer potencializar seu faturamento, analise a viabilidade da venda no cartão considerando todas as informações que destacamos aqui. Quanto mais consciente você for na sua decisão, maior será sua satisfação a curto, médio e longo prazos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Top